Não se esqueça de verificar as facturas do IRS até Quinta-feira

Com a aproximação da data de entrega do IRS, há datas a ter em conta para que não seja surpreendido com multas por causa dos seus impostos.

Este mês, além de que já deve ter comunicado alterações na situação familiar até 15 de Fevereiro, até à próxima Quinta-feira tem de verificar todas as facturas de despesas na página pessoal do e-fatura, no Portal das Finanças.

Se no ano de 2020 obteve rendimentos do trabalho independente, e está abrangido pelo regime simplificado, deve assinalar, no e-fatura, se as despesas são pessoais, profissionais ou mistas. Esta alteração foi introduzida em 2019 no IRS e resulta de uma alteração ao regime simplificado, em que uma parte do rendimento passou a estar parcialmente condicionada à justificação de despesas.

Já no mês de Março, concretamente no dia 15, são disponibilizados os montantes das deduções à colecta proporcionados pelas despesas que entretanto foram comprovadas por factura e outros documentos. Este é um dos novos prazos do IRS introduzidos este ano.

A informação sobre os valores das deduções à colecta fica visível numa nova página pessoal no Portal das Finanças diferente da do e–fatura. Nesta nova página, além das despesas comprovadas por facturas, pode consultar também outros gastos dedutíveis no IRS realizados em algumas entidades que não precisam de passar factura, tal como juros do crédito à habitação, rendas de casa, taxas moderadoras ou mesmo propinas de estabelecimentos de ensino públicos.

Depois deste prazo, entre 15 a 31 de Março, pode apresentar uma reclamação junto da Autoridade Tributária, caso não concorde com os valores apresentados na sua página pessoal referente às despesas gerais familiares e consequente benefício fiscal por ter pedido factura.

As deduções à colecta referentes a despesas de saúde, imóveis e lares, não pode haver reclamações nesta fase, no entanto, pode corrigir os valores na declaração de rendimentos Modelo 3, no momento da entrega do IRS. Mas se entregar a sua declaração de forma automática – IRS automático -não pode realizar nenhuma alteração.

Ainda em Março, até dia 31, pode escolher consignar o IRS ou o IVA a qualquer entidade que deseje apoiar com os seus impostos, antes da entrega do IRS.

Nos meses de Abril, Maio e Junho, é o prazo para entrega do IRS referente aos rendimentos de 2020, independentemente da categoria de rendimentos.

Geralmente se entregar o IRS em Abril ou em Maio, e tiver direito a receber reembolso, deverá ter o dinheiro à sua disposição até ao final do mês de Junho.

Depois de entregue o IRS, cabe à Autoridade Tributária enviar a nota de liquidação até 31 de Julho. É este documento que onde as Finanças indicam como calcularam o imposto e o reembolso a que teve direito. O último dia de Julho é também o prazo limite para receber o reembolso, se for o caso.

Em Agosto, se tiver de pagar imposto adicional ao Estado, deve fazê-lo até ao dia 31. Isto, indica a Autoridade Tributária, se cumpriu o prazo de entrega do IRS. Caso contrário, tem até 31 de Dezembro para efectuar o pagamento.

 

Fonte: Diário dos Açores