Setor automóvel domina entre os intermediários de crédito

Cerca de metade dos intermediários de crédito registados no Banco de Portugal (BdP) dedicam-se a atividades relacionadas com venda e reparação de automóveis, segundo a Sinopse de Atividades de Supervisão Comportamental do primeiro semestre, ontem divulgada.

Até 31 de julho, o BdP autorizou 4.422 intermediários de crédito, tendo 1.289 sido recusados.

A grande maioria dos intermediários de crédito são empresas (85,9%) e destes mais de metade (51,6%) têm como atividade principal comércio, manutenção e reparação de veículos automóveis e motociclos.

Já as atividades imobiliárias representam cerca de 20% dos intermediários e 14% dedicam-se ao comércio a retalho.

O regime jurídico dos intermediários de crédito obriga, desde 1 de janeiro de 2018, a que estejam registados no Banco de Portugal (a quem cabe regular a atividade) para poderem prestar serviços na comercialização de contratos de crédito.

Contudo, o regime transitório vigorou até 31 de julho deste ano.

Os intermediários de crédito - pessoas singulares ou empresas - não concedem crédito, nem avaliam a capacidade de obter crédito pelo cliente.

A sua atividade é propor ou apresentar contratos de crédito aos consumidores, fazendo a ligação entre o cliente que precisa de crédito e a instituição que dá o empréstimo.

Podem ser intermediários de crédito ‘stands’ de automóveis, imobiliárias ou lojas de venda de eletrodomésticos, onde os consumidores adquirem bens com dinheiro emprestado, ou uma pessoa ou empresa contratada pelo consumidor para o ajudar na escolha de um crédito.

Dos intermediários de crédito a operar em Portugal, 16 estão registados em outro país da União Europeia, sendo sete de França, seis do Reino Unido e três da Holanda. O novo regime resulta da transposição de uma diretiva comunitária de 2014.


Fonte: Lusa - Economia